cadastre-se

Cadastre seu email e receba novidades

Facebook

Evento

Entidades de servidores organizam mobilização no cortejo do Bonfim

Entidades de servidores organizam mobilização no cortejo do Bonfim

Entidades de servidores organizam mobilização no cortejo do Bonfim

Entidades de servidores organizam mobilização no cortejo do Bonfim
 
 
Boletim 1810 - Salvador, 03 de janeiro de 2019
 
Cinco sindicatos de diferentes categorias de servidores públicos do Estado se reuniram na quinta passada, 27 de dezembro, para organizar a participação na Lavagem do Bonfim. As entidades levarão o protesto do funcionalismo contra o congelamento salarial e as últimas medidas tomadas pelo governo Rui Costa (PT) e aprovadas pelos deputados governistas nos porões da Assembleia Legislativa, que penalizam os trabalhadores com aumento da contribuição ao Funprev e inviabilizam o Planserv.
 
Representantes do Sindsefaz, APLB-Sindicato, Sinpojud, Sindsaúde e Sintest debateram a necessidade de encaminhar as ações contra as medidas aprovadas pelo governo, bem como empreender ações políticas e midiáticas de denúncia firme das medidas. Além de entrar na justiça contra os projetos, será confeccionado um cartaz com os nomes e fotografias dos deputados que votaram a favor das mazelas.
 
Para o Bonfim, o cortejo dos servidores terá cartazes, faixas e camisas, usando a visibilidade da festa para mostrar ao governador Rui Costa (PT) que a luta não se encerrou com a aprovação dos projetos na Assembleia. Se seu segundo governo está começando, a mobilização unificada do funcionalismo está começando a ganhar força e vai dar dor de cabeça ao governador nos próximos quatro anos.
 
O Sindsefaz vai convocar a categoria ao Bonfim e vai empreender já no início do ano novas ações políticas e de mídia. É preciso informar aos baianos que o dinheiro que o governo diz não ter para pagar o reajuste aos servidores, bancar a aposentadorias de quem não está na ativa e custear o plano de saúde dos funcionários públicos está sumindo no ralo da sonegação e de benefícios fiscais generosos a setores empresariais, sem contrapartida para o Estado e sem qualquer monitoramento por parte da Sefaz-BA.
 
O rombo que o governo diz ter no Fundo de aposentadoria é consequência de políticas irresponsáveis de diferentes governos, como as gestões carlistas, que desviaram dinheiro do IAPSEB para outros fins ou, nas gestões petistas, que manteve a política anterior de substituir servidores concursados por redas e terceirizados, retirando contribuição do Funprev para o regime geral.
 
Não vamos ficar calados enquanto o governo empurra a conta nos nossos ombros. Vamos intensificar a mobilização.
Fonte: Sindsefaz
 
 
 

Deixe seu comentario:


Todos os direitos reservados à FETRAB